Renovação do protocolo com a SPEA

protocolo-spea-cmsesimbra2
A Câmara Municipal de Sesimbra assinou, no dia 22 de julho, o protocolo que renova a parceria com Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) para a dinamização de visitas e promoção do Espaço Interpretativo da Lagoa Pequena (EILP), na Lagoa de Albufeira.  O trabalho conjunto das duas entidades para dinamização do EILP teve início em 2016, com assinatura de um primeiro protocolo que tem permitido garantir a monitorização e estudo regular da avifauna e ter o espaço aberto ao público cinco dias por semana.

A Lagoa Pequena, enquadrada como Zona de Proteção Especial para as Aves, merece particular atenção pela sua importância ecológica, reconhecido valor paisagístico, mas também por demonstrar que é viável a visita sustentável de espaços ambientalmente sensíveis, com efeitos positivos socioeconómicos ao nível local e em termos de sensibilização das gerações futuras.

Durante a renovação da parceria, a SPEA apresentou um conjunto de dados que revelam que, nos últimos cinco anos, as famílias foram quem mais visitou o EILP, logo seguidos de visitantes que aqui vêm com o objetivo de usufruir das excelentes condições para fotografar e fazer observação de aves, algumas delas espécies ameaçadas a nível europeu, como o camão, a garça branca pequena, o garçote ou a garça vermelha.

Camão (Porphyrio porphyrio)

Camão (Porphyrio porphyrio)

Na ocasião o diretor executivo da SPEA, Domingos Leitão, destacou a importância «da estabilidade dada por este protocolo assinado com autarquia», acrescentando que este é um «bom exemplo, a nível nacional, da gestão de um equipamento natural com funções de preservação e de interpretação».

Francisco Jesus, presidente da Câmara Municipal de Sesimbra salientou que «a chave do sucesso tem a ver com as pessoas que no terreno fazem acontecer» referindo-se à articulação entre técnicos da autarquia, SPEA e Instituto da Conservação da Natureza e Florestas (que assegura a manutenção do espaço), que tem permitido ultrapassar burocracias, alcançar objetivos «e ser um sucesso nestes cinco anos».

Lembrou ainda a importância do EILP para o concelho de Sesimbra, não só na preservação ambiental, mas também em termos de Turismo de natureza sustentável, tendo em conta que «há um público específico que percorre o mundo inteiro para visitar estes espaços de birdwhatching». E, de acordo com a informação apresentada, nos últimos cinco anos 12% dos visitantes da Lagoa Pequena vieram de fora de Portugal.

A presidente da SPEA, Graça Lima, salientou ainda a importância «da boa relação e comunicação entre as três entidades» – CMS, SPEA e ICNF – na gestão deste espaço. Presente na assinatura do protocolo, que decorreu na Lagoa Pequena, esteve também João Paulo Lopes, em representação do ICNF.

Objetivos do protocolo

  • Envolver os cidadãos na proteção a longo prazo do património natural da Zona de Proteção Especial da Lagoa Pequena
  • Difundir o conhecimento junto da população local e visitantes sensibilizando para os seus valores naturais e visitação sustentável
  • Garantir as condições de visitação e interpretação 
  • Educar públicos escolares locais, com o objetivo de formar uma geração de crianças e jovens empenhados na defesa e uso racional dos valores naturais
  • Divulgar a Lagoa Pequena como local privilegiado na área da grande Lisboa para a prática debirdwaching 
  • Promover as potencialidades do território do concelhode Sesimbra para a prática de birdwaching

kit-explorador-EILP

Cinco anos de parceria

Os dados apresentados pela SPEA, relativos aos últimos 5 anos (2016 a 2020) revelam que 64% dos visitantes do espaço vêm de outros concelhos, 18% do concelho de Sesimbra e 12% de fora de Portugal. Em 2016 o EILP teve 3342 vistas e em 2020 foi visitado por 5481 pessoas (tendo estado encerrado três meses devido à pandemia), o que revela uma crescente procura.

São vários os motivos que trazem as pessoas à Lagoa Pequena: 35% vêm em lazer/passeio, 18% vêm para fotografar, 16% para observação de aves e 9% chegam aqui através do Serviço Educativo.

Ao longo destes anos foram dinamizadas cerca de 40 atividades, desde aberturas noturnas, formações para observação de aves, ateliers de construção de caixas-ninho, atividades para famílias, comemoração de efemérides, entre outras, que contaram com mais de 800 participantes.

O Serviço Educativo, por sua vez, organizou mais de 90 atividades no EILP, com perto de 2 mil participantes. Foi também às escolas do concelho, entre o 1.º e o 9.º ano, onde dinamizou 28 atividades onde participaram mais de 850 pessoas.

A Lagoa Pequena

A Lagoa Pequena, na Lagoa de Albufeira, é uma das maiores zonas húmidas de Portugal Continental e uma importante zona de circulação e nidificação de aves da Europa, enquadrando uma Zona de Proteção Especial para as Aves (ZPE).

Toda esta riqueza natural, e importância que tem para o estudo das aves, levou a que em 2012 fosse criado o Espaço Interpretativo da Lagoa Pequena, que faz parte do roteiro de birdwatching em Portugal.

A diversidade de espécies de aves, a beleza da paisagem e as condições de acolhimento criadas são ideais para os amantes da observação de aves e da fotografia de natureza.

Sobre a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves

Instituição privada sem fins lucrativos, organização não-governamental de ambiente com estatuto de utilidade pública, com cerca de 4500 membros.

Fundada em 1993, é desde 1999 o parceiro português da BirdLife International e tem como missão o estudo e a conservação das aves e seus habitats, promovendo um desenvolvimento que garanta a viabilidade do património natural para usufruto das gerações futuras, constituindo deste modo um parceiro interessado e privilegiado na proteção e valorização da Zona de Proteção Especial da Lagoa Pequena, bem como na promoção das potencialidades desta área para a prática de birdwaching.