Hoje
Hoje
Máx C
Mín C
Amanhã
Amanhã
Máx C
Mín C
Depois
Depois
Máx C
Mín C

O Projeto e a Obra

Intervir num edifício com mais de três séculos, e com a importância patrimonial da Fortaleza de Santiago, foi uma tarefa de enorme responsabilidade, que implicou um grau de empenho e exigência elevado por parte de todos os elementos da equipa.

Não se tratou de uma mera obra de construção civil, mas sim de um conjunto de trabalhos de restauro, muito bem documentados, elaborados por uma equipa multidisciplinar que envolveu arquitetos, engenheiros e operários especializados, sempre acompanhada por técnicos ligados à história e à arqueologia.

Antes de se iniciar a intervenção foi necessário recolher o máximo de informação sobre a conjunto edificado, mas também sobre o seu enquadramento histórico e mesmo a relação que estabeleceu com o tecido urbano e com a comunidade.

Pretendeu-se, sobretudo, aproveitar esta oportunidade, única, para aprender com o edifício, deixando que fosse ele a contar-nos a sua própria história. Só desta forma seria possível restituir-lhe a sua verdadeira essência.

O principal objetivo da intervenção foi possibilitar a implementação de um programa de ocupação com várias valências culturais num edifício de cariz militar, mantendo intacta a estrutura primitiva. Em muitos pontos isso foi possível, noutros, foi necessário procurar soluções alternativas que permitissem alcançar o pressuposto inicial sem desvirtuar o enquadramento original.

Aliás, foram muitos os casos em que o acompanhamento arqueológico feito ao longo da obra revelou aspetos que, para serem mantidos, obrigaram a adaptar o projeto.

Importa salientar que toda a intervenção foi norteada por um princípio de reversibilidade, o que significa que não foram feitos quaisquer roços nas paredes originais para passagem de infraestruturas ou outras finalidades. Em vez disso, optou-se por recorrer a paredes técnicas e pavimento para passagem dessas infraestruturas, necessárias à funcionalidade do edifício.

A solução permite que numa futura intervenção em que se pretenda dar um novo uso à Fortaleza baste remover as paredes técnicas e a estrutura primitiva ressurgirá, intacta.

Município de Sesimbra © 2015 | Todos os direitos reservados